núcleo de comunidade ambiental

VER:

Qual é o certo?

Núcleo de Comunidade Ambiental ou Pequena Comunidade de Fé?

Existem vários tipos de flautas: flauta doce alta, contralto e flautim, flauta transversal, flauta de pã (aquela tocada principalmente pelos povos andinos). Mas todas são flautas na sua essência.

Nos diversos documentos da Igreja você achará os termos Pequena Comunidade, Comunidade Eclesial (Doc 105) ou Comunidade Eclesial Missionária (Doc 109) entre tantos outros títulos.

Diversos títulos para o mesmo sopro do Espírito Santo, assim como a Virgem Maria tem diversos títulos.

Em se falando de Cursilho, o termo Núcleo de Comunidade Ambiental é o que mais parece com o carisma do Cursilho:

1. Primeiro porque o ambiente é o nosso lugar de evangelizar;

2. Segundo porque núcleo remete à camada mais interior: é preciso irmos à raízes dos problemas para conseguirmos transformá-los, nos propõe o Cursilho;

3. Terceiro, e não menos importante, isso só é possível em comunidade

Muitos cursilhistas “experientes” quando ouvem sobre Núcleo de Comunidade Ambiental (NCA), ficam com mais dúvidas do que respostas. Parece que estão lendo um livro sobre física quântica, derivadas e integrais ou genética.

Calma!

É mais simples do que você pensa.

Primeiro, vamos falar sobre o que não é NCA.

Conheço locais onde, após cada Cursilho, participam de uma missa em Ação de Graças e, após a missa, fazem uma confraternização no salão paroquial e, nesse momento, incentivam os neos cursilhistas a se organizarem em grupos. Geralmente, os grupos são feitos por pessoas que se conhecem, moram próximo um dos outros, têm filhos na mesma faixa etária – ou seja: grupo de pessoas que têm características em comum.

Esses grupos reúnem-se com frequência (quase sempre semanalmente), rezam o terço, leem o Evangelho e, com o auxílio de algum livro, estudam e conversam sobre o Evangelho. Também pela amizade formada, conversam sobre coisas da vida, sobre os filhos, trabalho, política, etc. Tomam um café e cada família vai embora para sua própria casa.

Sinto muito desapontá-lo, mas se você achava que isso é um NCA, você se enganou. Isso pode ser chamado de Grupo de Oração, Grupo de Casais, Grupo de Amizade ou Grupo de Partilha; mas não é um NCA.

Em outros lugares, os cursilhistas se organizam em um grupo ou equipe que, com ajuda de outros cursilhistas, ajudarão nas necessidades da igreja local, asilos, creches, escolas, locais públicos, etc. Irão até chamar a isso de “agir”.

Muito bonito e necessário para atender necessidades, mas também não é um Núcleo de Comunidade Ambiental.

O que é Núcleo de Comunidade Ambiental então?

DISCERNIR:

Para colocar “os pingos nos Is”, o primeiro grupo falado anteriormente tem em comum a amizade. O foco desse grupo é abastecer-se de oração, da Palavra de Deus e partilhar as coisas da vida. Mas após cada reunião, cada um volta para sua casa, para seu trabalho, para seu ambiente.

O segundo grupo, por ser de cursilhistas, claro que terá momentos de oração, mas é um grupo que tem por objetivo o “agir pontualmente” em algum local, ajudando em alguma necessidade e, após suprida e resolvida a necessidade pontual, planejam em qual outro local irão atuar. Mas após essa ação, cada um volta para seu próprio ambiente.

Esses tipos de grupos precisam sim existir. São ótimos para a vida comunitária e paroquial.

Com as perguntas e respostas abaixo, chegue você mesmo à conclusão do que é NCA.

1) Qual a razão máxima de existir do Cursilho? Fazer com que pessoas tenham a oportunidade de transformar suas vidas ou que, após a experiência do cursilho, após a oportunidade de encontro com Jesus Cristo, após decidir seguir a Jesus Cristo, voltem para os ambientes onde elas convivem e os transformem, fermentando-os de evangelho?

2) Nos dois exemplos de grupos citados anteriormente os seus integrantes conversam sobre os problemas que cada um vive em seu próprio ambiente ou todos eles convivem, trabalham ou estudam nesse mesmo ambiente? Convivem todos desse grupo e sentem “na pele” os efeitos das mesmas coisas que precisam de mudança?

Conseguem enxergar?

O Ambiente não é um local em comum “para todos” nesses dois tipos de grupos que existem em quase todos lugares onde há cursilho.

Bom, já sabemos o que não é NCA.

O que então é NCA?

A primeira coisa é: conviver no mesmo ambiente, estar presente, inserido, fazer parte.

Já falamos bastante sobre “fermentar”de Evangelho os ambientes, transformar os ambientes, viver os valores do Reino de Deus nos ambientes, ir à raiz dos problemas.

Também já falamos que o fermento precisa ser misturado à “massa”, estar inserido na massa. O fermento, para fazer crescer a massa, não é “polvilhado” sobre a massa.

A “pertença” e “inserção” é vital no NCA.

TRANSFORMAR:

Quem “sente na pele” consegue falar melhor com propriedade sobre o que precisa ser transformado no ambiente onde está.

Aliás, é por isso que chamamos esses grupos de Núcleo.

O núcleo é a camada mais interna, estejamos falando do núcleo do planeta terra, do núcleo de uma célula ou do núcleo de um ambiente.

Não à toa dizemos que para transformar as estruturas precisamos ir às raízes e não ficarmos distraídos com os “galhos e folhas”, agindo na superficialidade do problema.

Então. A proposta do Cursilho é que nos organizemos e não sejamos “heróis solitários”que tentam, sozinhos, salvar o mundo.

Desde os Atos dos Apóstolos os discípulos agiam em pequenos grupos – nunca sozinhos. O viver em comunidade é essencial à vida da Igreja e está no “DNA da Igreja.

Abro um parênteses para um fato que ocorreu comigo: (trabalhei com um amigo por mais de 10 anos sem saber que ele também era cursilhista, atuante na diocese dele. Se houvesse um NCA onde trabalhei, se na época eu tivesse esse entendimento, seríamos mais eficientes na transformação onde trabalhamos juntos, planejaríamos ações, buscaríamos outras pessoas para ajudarem – independente se elas seriam cursilhistas ou não – e os resultados seriam melhores do que atuando sozinhos, cada um fazendo do seu jeito).

É isso! Ninguém se salva sozinho! Ninguém transforma um ambiente sozinho. Precisamos nos organizar: enxergar com os próprios olhos, discernir à luz do Evangelho e sermos eficientes na transformação.

O NCA é uma ferramenta, uma proposta de método para transformação ambiental.

A Igreja no Brasil vem “batendo nessa tecla” há muitos anos: agir em comunidade, ser Igreja em saída.

No quinquênio 2019-2023, as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (documento da CNBB 109) usa o nome CEM – Comunidade Eclesial Missionária.

Mudam-se os nomes, mas como é o mesmo Espírito Santo que inspira toda a Igreja, conseguimos enxergar que o objetivo continua o mesmo: “Viver o Reino de Deus e seus valores aqui e agora”.

E isso só é possível em comunidade.

O NCA é um meio para que a transformação ambiental seja visível e não o grupo. “É necessário que Ele cresça e eu diminua”, já nos alertou João Batista, chamado por Jesus Cristo de o maior de todos os profetas, no entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele. (João 3,30 / Mateus 3,11).

Assim deve ser o NCA: passar desapercebido para que a transformação ambiental seja visível. Ninguém enxerga o fermento num bolo pronto. Mas sabemos que o fermento agiu no bolo pela transformação da massa, pelo crescimento da massa. É isso que vemos e saboreamos.

Carlos Carvalho

Cruzeiro, SP, Brasil.